HOMENAGEM


Homenagem



Aos quatro ou
cinco anos, eu era uma garotinha que já gostava de fazer versos. Parece que eu
encerrava as minhas “apresentações” sempre com a mesma frase: bonecas no meu
coração. Tudo a ver com a minha paixão do momento...
Ao longo de
minha vida ouvi meu pai repetir esta estória. Aliás, sempre com muita alegria e
orgulho da “precocidade” da primogênita.
Por isso, o
título do blog é uma homenagem a meu pai, Humberto Narbot.

sábado, 18 de maio de 2013

CICLO DO VENTO - I - DANÇA


Ciclo do Vento 

I - Dança

 

A folha que rodopia

ao vento,

não tem noção, sentimento,

deste seu rodopiar;

não sabe se é de alegria

sua dança, seu movimento,

ou só se deixa levar;

gira, sobe, alça voo,

paira um pouquinho no ar,

depois tomba, sem tristeza,

e recomeça a dançar;

e é bonita esta dança,

o movimento, a leveza

da folha que não se cansa

de tanto rodopiar.

3 comentários:

  1. ... E não menos leveza tem este poema, cara poetisa. Leveza e encanto. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Inefrain, pela gentileza do comentário.

      Excluir
  2. A folha sabe viver... curte o voo, e nem pensa na queda... nem pensa na morte, não olha para a árvore.

    ResponderExcluir

Seu comentário é um importante incentivo e será bem-vindo. Obrigada.