HOMENAGEM


Homenagem



Aos quatro ou
cinco anos, eu era uma garotinha que já gostava de fazer versos. Parece que eu
encerrava as minhas “apresentações” sempre com a mesma frase: bonecas no meu
coração. Tudo a ver com a minha paixão do momento...
Ao longo de
minha vida ouvi meu pai repetir esta estória. Aliás, sempre com muita alegria e
orgulho da “precocidade” da primogênita.
Por isso, o
título do blog é uma homenagem a meu pai, Humberto Narbot.

domingo, 5 de março de 2017

Trovas de uma iniciante.

Lu Narbot

UBT - Campinas










Olhar




Num sábado,
num domingo,
numa segunda-feira,
num dia qualquer
que nos pareça bom
- e que se queira –
vamos olhar o mar,
só olhar;
de mãos dadas nos olhar,
olhos nos olhos
e, sem falar,
só nesse olhar tudo dizer,
a dor, o amor,
o ser feliz e o sofrer,
o que passou
e o que virá,
sentados frente ao mar
a nos olhar...

Qualquer dia
sentados frente ao mar,
vamos nos olhar
e olhar o mar,

só olhar...

Lu Narbot

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Submissão


Para o Dia do Poeta, 20 de Outubro:
 


Sou poeta.
Mesmo que não queira
Mesmo que resista
Mesmo que abomine
Mesmo que renegue
Mesmo que esconda,
Eis-me enfim entregue:
Sou poeta!
 
 
 
(in Parceria, Editora Iluminatta)

domingo, 11 de setembro de 2016

COTIDIANO


O cotidiano
que se tece sobre nós
mais vezes é mortalha
outras poucas véu delicado.
E caminhamos
- queiramos ou não -
entre a cruz e a espada,
mal sustentados
por ralo fio de esperança.

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Esperança


É tão bom envelhecermos lado a lado,

Rememorando os fatos do passado,

Tristezas poucas e muitas alegrias,

Lembrando sonhos, ilusões e fantasias.

 

Foram-se os anos, levando a mocidade.

Deixaram rugas, mas também sabedoria.

Não levaram, porém, a felicidade

Conquistada no viver do dia-a-dia.

 

A vida segue e nossa luta continua.

Passos mais lentos, porém a mesma fibra,

Olhos nos olhos, a minha mão na tua.

 

Fortalecidos  no que foi o antigamente,

Um pelo outro o coração ainda vibra,

E o futuro nos sorri alegremente.


(Poema publicado na Antologia VIII da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro)